“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

04/03/2008


Porque te quero?
Se, de tanto te querer,
Chego a morrer!
Se te tenho…
Desespero, se te perder
Se não te tenho…
Desejo, para sempre adormecer!
Sem ti…
Não existe o Sol que me aquece…
E na noite, a tua ausência, me enlouquece
Sou Julieta sem Romeu
Dalila sem Sansão
Eva sem Adão
Sou árvore sem chão
Fruto proibido
Colhido na árvore da ilusão
Pássaro livre que voa sem parar
Acorrentado à tristeza por não te encontrar
Sou mar sem areia
Caravela à deriva
Corpo sem alma que vagueia
Na praia esquecida
Porque te quero?
Se, tenho medo de te perder!
Não sei!
Só sei que, tenho em mim
Esta teimosia
De tanto te querer…


(Lúcia Machado)

2 comentários:

ZezinhoMota disse...

Lúcia, minha doce amiga!

Palavras bonitas
que nos fazem sonhar
e até nos dão alento...

Para que a poesia
continue a nascer
com prazer
e alegria...

Bjnhs

ZezinhoMota

VÓNY FERREIRA disse...

Este é (decididamente ) um dos poemas teus de que mais gostei.
Pela mensagem, pela musicalidade, pela delicadeza poética com que descreves uma vez mais um sentimento sublime. "O amor"!
Parabéns, minha querida!
E só posso incentivar-te a escrever sempre,mais e mais...
Vóny Ferreira

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.