“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

07/03/2008


Hoje…hoje sinto-me assim…
Como uma menina
Que quando cai e se magoa
Corre para o colo da mãe
E o abraço que a envolve
Tão doce e terno
Faz com que a dor minimize
O simples toque
O cheiro da mãe
Que nos acalma
Num conforto que aquece a alma

Hoje...sinto-me assim…
Triste…
Hoje…gostava tanto que estivesses aqui
Ao pé de mim


(Lúcia Machado)

5 comentários:

VÓNY FERREIRA disse...

É comovente este poema.
- Quantas vezes procuramos no nosso subconsciente o cheiro, o afago insubstituível da nossa mãe?
O mais dramático é quando esse afago e esse cheiro está enraizado dentro de nós deste os primórdios da placenta.
O que terá falhado então? Tudo, amiga tudo... porque há mães que nunca souberam dar esse mesmo afago aos seus filhos. E esse facto torna-os definitivamente órfãos do afecto!
(VÓNY FERREIRA)

Lúcia Machado disse...

Felizmente...que eu sempre tive esse afecto :)

A saudade que tenho da minha mãe...deve-se ao facto de ela não se encontrar mais, neste nosso mundo! :(

Partiu deste planeta...mas, ficou cá dentro do meu coração!

No cheiro e doçura que me deixou :)

Irina Gama disse...

às vezes tb me sinto assim... mas ainda tenho o colinho da minha mae... felizmente!!

tao bom ler os teus poemas!!

beinhu!!

ZezinhoMota disse...

É ternurento este teu poema, porque a nossa mãe não tem dia porque são dela todo o dia.

Infelizmente minha mãe internei-a numa "Casa de Repouso-Lar" não existiam condições de olhar por ela. Nos últimos dias de Julha passado andei a meter-lhe a comida à boca...

Mas tomara eu poder continuar a fazê-lo, mas existiram motivos mais fortes! Momja mãe acamada e minha mulher não podia perder um emprego que é o seu presente e o seu futuro na reforma...

E os bons empregos não andam por aí à solta!

Desde o dia 1 de Agosto que está lá, mas embora ela esteja mais confortada com a situação!

Mas eu querida amiga, não estou! Sofro em silêncio sem o confessar a ninguém que me rodeia...

No domingo fez 86 anos e levamos dois bolos para conjuntamente os seus colegas do Lar pudessem cantar os parabéns e ela sentir que não me esqueço dela.

Ela chorou comovida e eu fui forte não chorei, mas a minha alma chorou e muito.

Entendes este meu desgosto?

Perdoa-me pelo desabafo.

Fica bem.

Bjnhs

ZezinhoMota

Girassol disse...

Meu amor... não tenho palavras para descrever o que sinto depois de lêr isto.
Quem me dera estar junto a ti para nestes dias te poder dar colo... apesar da idade o meu colo também é de mãe e podes contar sempre com ele...
Um beijo no coração da minha menina :)

... e não te esqueças... eu estou sempre aqui para ti...

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.