“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

10/11/2007

Naúsea


Quem me tira esta angustia?
Esta náusea do passar dos dias!
A alma acorrentada, o corpo dormente
Que sangra em vales de gritos afundados…rio corrente!

Venham os lobos, em perseguição da carne dilacerada
Rasguem-na! Saciem-se no meu sangue, matem a fome!
Que esta que vêem…não passa de pedaço de matéria orgânica,
Que irá servir de alimento…húmus serei! Mais nada…

Debica-me os olhos!
Alcião, com asas de Sol…
Em dias alciónicos…
Faz da íris o teu mar, o teu ninho…

(Lúcia Machado)

2 comentários:

inominável disse...

passa sempre que quiseres e te saturares e tiveres náuseas...

Sailing disse...

Obrigado amiga pela visita ao Mar de Sonhos. Venho retribuir a mesma e dizer que tu tens a alma do poeta dentro de ti.

Bjs

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.