“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

19/11/2007

Monotonia d´um Poeta (isa)


Sempre o mesmo horizonte
A mesma estrada sem fim
O tempo indefinido
A saudade em mim
O mesmo luar em noites de vicio
Estrelas cadentes em forma de suplício
Nuvens que pairam no meu coração
Céus rasgados, ao som de um trovão
Chuva que cai…lágrimas de dor
Lavam almas, desvairadas de amor
Ondas divergentes, voz do mar
Caravelas em risco de naufragar
Canto da sereia…
Marinheiro que devaneia
Aurora… gélido cristal
Caixa de Pandora… origem do mal
Mãos que enlaçam, corpos fundidos
Vibrações…em vales perdidos
Poemas que escrevo, em luz convergente
Alma que despega, de um corpo presente

(Lúcia Machado)

1 comentário:

ZezinhoMota disse...

Lindo poema a complementar uma bela melodia.

Que sejas feliz no presente e o teu sorriso perdure pelos tempos.

Bjnhs

ZezinhoMota

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.