“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

18/01/2008

Porque choras?


Porque choras?
Que tempestades carregas nos teus olhos?
Que âncora prende o teu corpo?
Que dor carrega teu peito?
Teu suspirar…
O gemido do dia, em agonia,
Entra na sombra como alguém que via
Sussurras…
Ignoras se alguém sente a falta da tua presença
Se beija a tua ausência prolongada
E entre carícias e lágrimas
Soltas as amarras…
Lanças-te no abismo…
Em queda livre sobre esse mar
Libertas a alma,
Fundida, numa estranha forma de amar
Numa estranha forma de sonhar

(Lúcia Machado)

4 comentários:

Raul Cordeiro disse...

Lindo minha Amiga
Sempre em grande forma poética é uma delícia e uma inspiração ler o que escreves.

Bjs

ZezinhoMota disse...

"Porque choras" em vez de sorrires?

Perdoa-me, pelo meu atrevimento!

Porque não concorres à "II ANTOLOGIA DOS POETAS LUSÓFONOS?"

Que sejas uma jovem feliz! Hoje e sempre.

Bjnhs

ZezinhoMota

Vóny Ferreira disse...

Porque choras?
Porque choro?
Porque me emociono?
Lindo este poema, e se queres saber... (mesmo que não queiras... eu digo-te!) Choro sempre de emoção ao ler poemas como este! Lindo! Ui... lindo!

Vóny Ferreira disse...

Porque choras?
Porque choramos?
Porque nos questionamos
Com a dor que observamos
ou até mesmo...
Pressentimos?

Lindo o teu poema. Eis a eterna inquietação que aflige todo aquele que tem o atrevimento ou a fatalidade de "apenas sentir"!
Força, amiga, nunca deixes de exprimir o que te vai na alma porque o fazes com rara beleza!

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.