“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

11/08/2008

Os meus olhos...

Os meus olhos, são uns olhos…

Como outros tantos…

No entanto, quando te viram pela primeira vez

Ficaram cegos…

Não sei se do disparo do coração,

Ao sentir pela primeira vez, a tua boca

Ou o toque das tuas mãos!

Não sei!

Só sei, que estão enfeitiçados,

Encantados por ti…

Os meus olhos, que tanto olham

Para um mundo que não entende

Vêem outros olhos…

E são os teus que procuram…

Mas, não adianta!

Os teus olhos, tão doces, são negros

Tão distantes dos meus

O que não daria, para os ter de volta

A olhar, para os olhos meus…



(Lúcia Machado)

1 comentário:

ZezinhoMota disse...

É um encanto ler assim poesia, tantas vezes uma melodia celestial embeleza os meus sentidos pela beleza das palavras que compõe um poema...


Bjnhs

ZezinhoMota

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.