“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

13/06/2008

Vem comigo, dá-me a tua mão…
Vamos simplesmente, caminhar no jardim…vamos ao encontro dos amores vividos nos bancos riscados…esses velhos livros silenciosos dos amores construídos, uns eternos, outros esquecidos…
Deixa que te leve por esses caminhos, que percorro com o meu olhar, na ânsia de o teu encontrar…
Anda, segura a minha mão, não a largues…juntos, deixemos nossos corpos cair na relva, manto da doçura dos enamorados…
Fiquemos assim, juntinhos, abraçados como se o amanhã não existisse…como se tudo o que nos separa…deixasse de importar…
Não vás embora! Dá-me apenas a tua mão…caminha comigo, afasta a solidão…
E no silêncio envolvente, apenas a nossa mente divaga, no querer de um tempo sem pressa…
Sente…escuta…
Dá-me apenas a tua mão…ouve o coração…


(Lúcia Machado)

1 comentário:

Cila & Di disse...

Lindissimo texto!!!
Beijo doce!

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.