“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

24/06/2008


Escrevo o teu nome nas marés
O teu olhar... nas estrelas que vislumbro
Não sei de que cores são as aves que cruzam o céu
Nem de que tábuas são feitos os navios salgados
Sei do corpo que flutua à deriva nos teus braços
De luares escondidos na travessia das horas onde te encontro
Há um mar nos teus lábios feitos de espuma
Uma linha no horizonte ao encontro do nosso olhar
E eu quero as rotas calculadas sob o desejo
Navegar em oceanos à partida da descoberta
Onde te encontro nos poentes que me levam a ti

(Lúcia Machado)

2 comentários:

Vieira Calado disse...

Uma bela conjugação de música e poema.
Com Amarante em pano de fundo, penso.
Cumprimentos

Cila & Di disse...

Lindissimo poema...acho que já te disse, mas torno a repetir...gosto de que escreves!
Beijo

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.