“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

19/11/2008


Na solidão do meu quarto,
Abro a janela...
...Converso com as estrelas….
Dizem, que não sou capaz de as ouvir…
Mas, só um louco, não poderá entender o dialecto delas
O silêncio por vezes, diz-nos mais que mil palavras
Basta para mim, vê-las, e escutar a sua voz que cruza a noite
É o prenúncio de um novo amanhecer... de uma nova esperança…
E, elas, dizem-me tanto!
E conversamos longas horas, sob o manto da noite que nos envolve
Contam-me histórias de cavaleiros que cruzam os céus
Nos seus cavalos cor-de-prata…
…De unicórnios, de fadas com asas de borboleta e seus vestidos esvoaçantes…
Falam de amores impossíveis…
E, de amores eternos...
Quem não as ouve…
Não entenderá nunca, o amor…

2 comentários:

Hélder disse...

Tens absoluta razão querida Lúcia, (desculpa, mas foi a única forma que eu encontrei para te chamar agora :p)

E só quem as entende pode ver nelas a presença da pessoa amada... Sentir que a pessoa que amamos está também a olhar a estrela polar ou mesmo a Lua... ;)

Sinto que estás melhor, e fico muito feliz com isso como tu sabes...

Muitos beijos

ZezinhoMota disse...

As estrelas são em muitas as noites as minhas companhias!

Por isso tens esse dom e com certeza elas te ajudam a passar as noites escuras que por vezes custam tanto a passar...

Bom fim de semana.

Bjnhs

ZezinhoMota

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.