“Todas as palavras são a loucura dos Poetas, não fossem elas o próprio sangue que corre nas veias”


(Lúcia Machado)

08/06/2010

Pensamentos Perdidos entre o XVIII e o XIX :-P :-D

fui Condor, talvez falcão
Já voei por entre os teus olhos
Bati asas em direcção ao teu coração
Escalei as montanhas dos teus sonhos

E neles me perdi
Um dia chamei por ti
E tu tanto procuraste…
…que me encontraste

Perdi-me no teu abraço
E encontrei o meu espaço
E eu, sou mais do que o vento
Em ti me reinvento

Somos beijo delicado
Com tempo marcado
Nas horas que deslizam
Somos amor salgado

(Lúcia Machado)

4 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema, querida amiga.
Gostei imenso das tuas palavras.
Beijos.

ZezinhoMota disse...

Lúcia.

Estás uma poetisa requintada e cada dia que passa vais subindo os degraus da fama...

Agora é só pensares no livro...

Já tens mais que categoria para o fazeres...

Força segue em frente porque o mereces...

Beijos do ZezinhoMota

DarkViolet disse...

Tudo se entrelaça nessa permuta

Olhar Meu disse...

Não sei se me atrevo a dizer...eu sei onde tu estás...estás nestas palavras.

Bjo de coração,
Fatima

... Aqui jazem todas as angústias, os medos, a solidão, as alegrias, as tristezas...
Jazem momentos únicos, momentos irrepetíveis...
....a saudade, o acreditar....
..As lágrimas, o desespero, o renascer...
a morte...
Todos os momentos de uma vida...uns eternos, outros não...
Aqui jaz uma nova esperança... o amor...

...Tu...



(Lúcia Machado)




Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, cedência, difusão, distribuição, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio electrónico, mecânico ou fotográfico destes textos sem o consentimento prévio e expresso do autor. Exceptuam-se a esta interdição os usos livres autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem.